Receba conteúdos como esse no seu e-mail!

  Receba conteúdos como esse no seu e-mail!

Já não é possível ignorar o papel que a internet tem assumido nos nossos dias, tanto pessoal quanto profissionalmente. No caso de advogados e escritórios da área, dominar o ambiente digital pode ser uma questão de sobrevivência.

De fato, todos os segmentos precisam estar presentes na web, já que o esforço de divulgação e promoção das marcas sempre foi o de estar onde os clientes em potencial estão, tentando impactá-los do jeito certo. Este lugar hoje é exatamente a internet.

Isso vale também para serviços tradicionais que são realizados eminentemente de modo presencial, como uma locação de espaço comercial, que exige a materialidade do seu serviço. Afinal, é possível atrair pessoas interessadas em fazer visitas ao local.

No caso dos advogados, é necessário considerar o agravante de que anualmente se formam milhares de novos profissionais na área, aumentando consideravelmente a concorrência e a disputa entre escritórios e profissionais que procuram seu espaço.

Realmente, segundo pesquisa do próprio IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), em parceria e divulgação do Portal E-Mec, na última década, essa área cresceu mais de 35%, indo de cerca de 600 mil profissionais formados para 880 mil.

Lembrando que não estamos falando apenas de um curso profissionalizante, mas de um Curso Superior com duração média de quatro ou cinco anos, a depender da instituição. Além disso, atualmente existem mais de 1.650 cursos de Direito em andamento no país.

É justamente nesse cenário que surge a necessidade ou mesmo urgência de o advogado entender como ele pode se promover no ambiente digital. Quem não conseguir fazer isso de modo eficiente e assertivo, pode acabar ficando para trás.

Por esse motivo decidimos escrever este artigo, trazendo aqui não apenas dicas e conselhos práticos sobre como exatamente fazer isso, mas também os impactos que tal estratégia vai gerar, seja no curto, no médio e longo prazo da carreira.

Lembrando que o assunto não é totalmente novo, de modo que é preciso salientar alguns pontos legais do marketing do mundo jurídico, que envolvem o Estatuto da Advocacia, segundo regras previstas pelo Regulamento Geral, parte do Código de Ética e Disciplina.

O mais interessante é que, hoje, esse conjunto de estratégias evoluiu tanto que ele já pode ajudar os advogados a conseguirem todo tipo de público, desde cível e trabalhista até questões legais de cunho comercial, como emissão de laudo de adequação nr12.

Qualquer assunto pode se tornar uma tática de marketing nas mãos do profissional da área, tudo sem descumprir as normas e diretrizes que mencionamos.

Então, se você quer entender como tudo isso é possível e como tal esforço pode mudar a história da sua carreira, basta seguir adiante na leitura deste artigo.

O que a lei diz a respeito?

É conhecido o fato de que, nos EUA, os advogados não apenas podem fazer marketing livremente, como chegam a criar anúncios televisivos com forte apelo emocional e até gatilhos mentais e sentimentais para atrair seu público.

Já no Brasil, a lei é sensivelmente diferente, considerando que algumas abordagens são apelativas demais e, portanto, proibidas, sob o risco do profissional perder seu registro ou ser penalizado pela OAB, que é a Ordem de Advogados do Brasil.

Porém, isso causa uma confusão inicial, que é a de achar que o advogado não pode fazer nenhum tipo de marketing ou promoção do seu trabalho, o que é falso.

Por exemplo, uma empresa de entrega de documentos não precisa fazer anúncios apelativos e utilizar gatilhos comerciais, mas ela pode simplesmente criar um blog para ensinar melhor como funciona o seu serviço. 

Um advogado pode fazer algo assim, pois é exatamente nesse sentido que a lei deve ser interpretada, com a permissão de que os advogados e escritórios explorem conteúdos e informações de modo educativo, atraindo leitores que também são clientes em potencial.

Os formatos que esse esforço pode assumir incluem:

  • Artigos de blog;
  • Postagens nas redes sociais;
  • E-books e áudios;
  • Vídeos explicativos;
  • Slides e apresentações;
  • E-mail marketing;
  • Newsletters e afins.

Ou seja, há uma gama considerável de modos de promover a si mesmo, ao seu site ou ao seu escritório, sem que isso configure qualquer tipo de descumprimento da lei.

Lembrando que hoje a OAB se defronta com o Código de Ética e Disciplina, no sentido de flexibilizar cada vez mais as regras antigas, abrindo possibilidades crescentes em termos de marketing e divulgação, conforme veremos adiante.

Sobre o marketing de conteúdo

Não podemos desconsiderar que alguns segmentos lidam com soluções que vão muito além de um produto qualquer, tal como um médico que trabalha com a vida e a dignidade humanas, ou um advogado que atua acerca da liberdade individual.

Ao mesmo tempo, também precisamos lembrar que todo profissional precisa de clientes para o seu negócio, sejam eles pacientes ou não. Portanto, essa ótica comercial também é importante, de modo a profissionalizar a própria carreira.

No caso do marketing para advogados, o mais interessante é que ele abre possibilidades que já se consagraram no mundo da publicidade como um todo. Tanto que o exemplo do marketing de conteúdo que demos acima é algo buscado pelas maiores marcas atuais.

Hoje, realmente se uma firma aluga um escritório virtual, a primeira coisa que ela deve fazer é educar seu público, criando conteúdos originais que agreguem valor a ele, como modo de atrair novas oportunidades, gerar leads e aumentar as negociações.

Por isso, o advogado pode começar criando um blog, que em termos de estratégia é a alma do marketing de conteúdo. Depois, é possível criar conteúdos do tipo “Entenda melhor o direito familiar”, que é um formato que atrai cada vez mais gente.

Uma das vantagens disso é que, ao mesmo tempo em que atrai pessoas interessadas, o profissional vai se tornando uma autoridade em seu nicho, além de que isso o ajuda a se manter sempre atualizado sobre as novidades da área.

Como aplicar o famoso SEO?

Outra estratégia de marketing que é do interesse de todas as marcas, mesmo aquelas que não têm restrições impostas pela OAB, é a do Search Engine Optimization.

Mais conhecido pela sigla SEO, o que essa Otimização de Página para Motores de Busca permite é que seus artigos e conteúdos sejam bem ranqueados em buscadores como Google, Bing, Yahoo e Ask Brasil, que são os mais utilizados em nosso país.

Afinal, quando alguém pesquisa uma palavra-chave como envelopamento de frotas, a ordem em que os sites vão aparecer depende totalmente disso. Ou seja, o que atender melhor os algoritmos da plataforma vai conseguir um destaque maior.

Uma dica de ouro é fazer link com outros profissionais e sites da área, especialmente os que já estiverem mais consagrados. Além disso, escolher a palavra-chave certa é fundamental, bem como inseri-la em pontos estratégicos.

Basicamente, é essencial que ela apareça na URL da barra de endereços do navegador, no título do texto, no primeiro parágrafo, no título das imagens e na meta-description, que é um resumo de tudo o que aquele conteúdo ensina.

O diferencial das multimídias

Ninguém pode negar que os blogs são essenciais na criação de conteúdo, porém, é um erro achar que só por isso você precisa se limitar a escrever textos e mais textos.

Como mencionado acima, é possível criar conteúdos em slides, áudio, vídeo e muito mais. Entretanto, há um segredo ou dica para que isso ocorra de modo assertivo.

Trata-se de primeiro escrever um artigo como base do tema em questão, ou uma série de artigos que vão ajudá-lo a dominar melhor o assunto. Como um blog de sala comercial coworking, que pode criar diversos textos sobre as novidades desse setor.

Depois de dominar o tema, aí sim é possível dar opções de multimídia para o visitante, utilizando seu artigo como script para áudios, vídeos e até lives. Assim, sua produção fica muito mais profissional e com conteúdo mais denso.

Como ficam as redes sociais?

Falando em lives, não podemos nos esquecer das mídias sociais. Como ali temos um ambiente de maior concorrência, já que o espaço não é exclusivo como o de um blog, o advogado precisa fazer um esforço maior para se destacar.

Cabe novamente a dica de utilizar seus artigos como base criativa. Além de um script para lives, aqui eles podem se transformar em posts menores e mais dinâmicos.

Além disso, é possível fazer anúncios e promover seu nome por meio de destaques como banners personalizados. Ou seja, a tendência é impactar muito mais gente, daí que o ideal seja entrar nessas redes depois de já ter alguma experiência com o blog.

Considerações finais

Vimos que há algumas restrições sobre como um advogado pode se promover dentro do ambiente digital, mas isso nem de longe precisa ser algo limitante.

Pelo contrário, os profissionais da área podem aplicar o marketing de conteúdo, o SEO, a diversidade de multimídias e até mesmo a atuação nas famosas redes sociais.

Com os conceitos e conselhos práticos que demos, vai ficar ainda mais fácil aplicar essas estratégias de modo eficiente e dentro das normas do marketing para advogados.

Esse texto foi originalmente desenvolvido pela equipe do blog Guia de Investimento, onde você pode encontrar centenas de conteúdos informativos sobre diversos segmentos.

Share via